Historia da Asbl

ANTES DA ASBL

(Extraido da revista Télé Moustique, 19 de março 1995.)
(Documentàrio « La main à la patte » – RTLvi.)

Marie-Jeanne Frédérique é uma senhora irradiante de 60 anos , que tira dos animais que recolheu em sua casa toda serenidade e força que possui. Cachorros, gatos, galinhas, papagaios, um cavalo, um porco, cabras e uma multidão de patos compõe sua familia.

Para poder continuar a assegurar a alimentação de seus protegidos, Marie-Jeanne soube tocar o coração de proprietàrios de restaurantes, que decidiram ajudà-la a alimentar seus amigos.

Marie-Jeanne pede a Deus em suas orações que ela possa sobreviver a seus animais pois se inquieta do que poderia lhes acontecer caso ela venha a falecer. «Mas, ela nos conta, eu devo fazer Deus rir, pois adoto cada vez mais novos animais. Talvez seja para mim uma maneira de pedir a eternidade».

Marie-Jeanne é vegetariana : uma escolha que lhe foi ditada pelo seu respeito profundo por todos os seres vivos. Ela nunca compra carne, nem para si, nem para seus animais.

Marie-Jeanne é uma pessoa discreta, sorridente, inteiramente dedicada a seus animais. «Mas eu também amo as pessoas, sobretudo quando escuto seus corações baterem. O coração dos animais também bate, e este bater é um verdadeiro movimento de amor perpétuo».
 


 
NASCIMENTO DA ASBL

Fabienne nasceu em 1959. Jà pequenina, ela se mostrava inteiramente sensivel ao respeito à vida. Ela salvava animais e me pedia para ajudà-la. Viviamos no amor da criação. Aos 15 anos, Fabienne decidiu tornar-se vegetariana. Eu também adotei esta outra maneira de viver.

Tinhamos uma casa e um grande jardim. Nossos primeiros gastos foram feitos para colocarmos uma boa cerca, sem a qual não seria possivel salvarmos e mantermos conosco os animais. Em seguida, a fim de conseguirmos dinheiro para alimentarmos e cuidarmos dos animais, vendemos vàrios objetos que nos mesmas haviamos recuperado e restaurado.

Fabienne terminou seus estudos (na àrea de humanas) e, em seguida, obteve um diploma de regente em biologia. Obteve neste ano a autorização, para um de seus exames, que um animal não fosse morto para ser dissecado. O tema de sua dissertação de fins de estudo intitulou-se «Por que tantos mortos ?», e era uma requisição contra a vivisecção. Ela preparava-se para ir aos Estados Unidos onde estudaria a linguagem gestual que permite dialogar com os grandes macacos.

Infelizmente, o ano 1985 foi enlutado pelo acidente que aconteceu com Fabienne. Estava estabelecido entre minha filha e eu que se uma das duas sobrevivesse à outra, a obra com os animais, na qual estàvamos engajadas, deveria continuar.

Muitos animais martirizados encontraram muito mais do que um abrigo em Galmaarden. Agora eles conhecem uma relação de amor e de verdadeiro respeito. Todos receberam um nome e não são mais adotàveis, mas à procura de padrinhos e madrinhas.

Entretanto, todo este belo trabalho possui um lado sombrio. Cuidar de animais custa caro. A alimentação, os tratamentos, os veterinàrios, necessitam grandes despesas. Eis a razão pela qual eu fundei uma ASBL, cujo objetivo é coletar dinheiro que me permitirà levar ajuda e socorro aos mais demunidos, aos animais abandonados, maltratados ou explorados.